Por que é mais do que um jogo?

Quem não gosta de esporte (bom sujeito não é )muitas vezes não entende o que exite de tão maravilhoso nele. Não importa necessariamente a modalidade: todas elas contam histórias que ninguém mais consegue contar.

Quer um exemplo?

Roy Prentice, 94 anos. Torcedor fanático do Notts County, da Inglaterra, e sofrendo de demência.
Roy tinha um sonho de marcar um gol no estádio de seu clube e, no último sábado, pôde concretizá-lo, ao lado de sua família.

Dá uma olhada e se arrepia:
#DementiaIsATeamGame

 

#MyGameMyName é o projeto que todo mundo precisa conhecer

Vamos falar de eSports?

O assunto, tão em alta nos últimos anos e com perspectivas animadoras para os próximos, tem entrado cada vez mais na pauta de agências, clientes e anunciantes. Não à toa: o Brasil é o terceiro maior mercado do mundo no consumo de eSports. Engajar-se com um consumidor apaixonado por games é desafiador mas, quando dá certo, o resultado é duradouro: trata-se de uma comunidade, um público fiel que pode se fechar em torno (ou contra) uma marca.

Mas há, também, um lado obscuro nisso tudo: para muitos, a Internet ainda é terra de ninguém. Embora alguns avanços tenham sido feitos nessa área, ainda é fácil se esconder em um nick para destilar o ódio.
Nos eSports isso não é diferente: mais da metade dos gamers no mundo são mulheres. Muitas delas, no entanto, se escondem atrás de nicknames masculinos, para evitar o assédio on line. É absurdo, eu sei, mas acontece.

Aí, entra em campo o #MyGameMyName: um movimento contra o assédio sofrido pelas gamers que, entre outras coisas, pôs alguns dos gamers brasileiros para jogar on line com um nikcname feminino, para que eles sintam na pele o que elas sofrem diariamente. O resultado pode ser visto aqui.

Em um cenário tão triste, movimentos como o #MyGameMyName se fazem fundamentais. A gente torce para que, em breve, eles não precisem existir mais. Mas, enquanto existem, a gente aplaude, ajuda, divulga e repensa cada uma das nossas atitudes.

Ah, a campanha ganhou Cannes, também 🙂

Clica aí!