O grito de mais de 100.000 RTs

Quem acompanha futebol viu o que a Roma fez contra o Barcelona, na última terça-feira (10 de abril), pelas quartas de final da Champions. Após ter perdido o primeiro jogo por 4 x 1, o time ganhou de 3 x 0 em casa e se classificou para as semifinais da competição de clubes mais famosa do mundo. Feito histórico para o Clube.

O perfil oficial da Roma no Twitter comemorou assim:

 

Tweet roma

Uso perfeito das redes sociais. A gente não imagina uma mensagem dessas de um perfil oficial mas, no esporte, numa classificação de Champions, num feito que vai entrar para a história do Clube, só mesmo um “grito” sincero vai alcançar mais de 150 mil retweets e mais de 200.000 likes.

Uma mensagem que não faz o menor sentido mas, ao mesmo tempo, faz todo o sentido do mundo.

Cristiano Felício ensinando os Bulls a falar português

Quem trabalha com digital sabe: às vezes, é tanta plataforma pra gente englobar que fica fácil se perder no planejamento. Facebook, Instagram, LinkedIn, Twitter, YouTube, Snapchat, Whatsapp, Skype… Se quiser continuar a lista, fique à vontade.

Com tanta coisa pra pensar, é fácil a gente se esquecer que, por mais importantes que sejam, nenhuma dessas ferramentas vai resolver nossos problemas se o conteúdo for fraco. 

Por outro lado, quando o conteúdo é bom, as ferramentas escolhidas para disseminá-lo ficam quase em segundo plano. Ou seja: o conteúdo bom faz sucesso, independentemente de onde seja veiculado.

Exemplo: esse vídeo do Cristiano Felício, atleta brasileiro dos Chicago Bulls, ensinando português aos seus colegas de equipe. Ideia simples, que deixa os atletas em evidência e apresenta um resultado divertido pra qualquer um. Além disso, ajuda na internacionalização da marca para um mercado tão importante quanto o brasileiro. Quem acompanha a NBA já sabe que esse tipo de ação é super comum por lá. Quem ainda não acompanha, tem que começar a acompanhar urgentemente. Um bom primeiro passo é apertar o play no vídeo abaixo, que você também encontra lá no canal dos Bulls no YouTube

 

Toyota usa o Instagram para nos mostrar o mundo através de outros olhos

Não é novidade o poder e a importância do Instagram dentro da estratégia de uma marca.

O apelo visual da ferramenta e seu uso prático, além da febre das stories (alô, Snapchat), deixa a plataforma cada vez mais no gosto de usuários e empresas.

Até por isso, é sempre muito legal observar quando uma marca usa o Instagram de um jeito diferente. Foi o que a Toyota fez, em parceria com a paratleta Menna Fitzpatrick.

O perfil @seelikemena se propõe a mostrar o mundo através dos olhos da atleta, cuja deficiência visual (tem apenas 5% de sua visão) não a impede de continuar competindo.

A ideia é simples e genial: em uma ferramenta em que os filtros tornam possível quase qualquer tipo de efeito em suas fotos, o propósito de usá-los para “mostrar o mundo sob outro ponto de vista” deixa tudo muito mais impactante.

A parceria consolida ainda mais o posicionamento de Mobility for All, da Toyota.

Posicionamento forte, ideia boa e uso perfeito da ferramenta 😉

 

seelikemenna

A força da internet para a marca Havaianas

Resultado de imagem para Force India havaianas

Havaianas apostou pela primeira vez em patrocínio para a Force India, graças aos comentários e memes sobre a semelhança entre as tiras e o dispositivo dos carros de Fórmula 1. O dispositivo se chama Halo, ele se tornou obrigatório nos carros e serve para proteger os pilotos.

Você acha que a internet tem força para movimentar uma marca? Se você disse que sim, você está certo disso. Havaianas aproveitou a onda dos comentários e usou isso ao seu favor, firmando e anunciando o patrocínio com a equipe dias depois.

Por fim, o intuito é entender que tudo na internet e fora dela pode ser usado pela marca, mas é preciso timing, conhecimento da marca e presença digital, afinal é necessário conhecer o caminho a ser percorrido. Havaianas levará o patrocínio por toda a temporada, trazendo um ar tropical e bem brasileiro a equipe.

E você, aonde quer chegar com a sua marca?

O documentário sobre criatividade que todos precisamos ver

Os elementos básicos da criatividade

 

Se você precisasse me indicar um único vídeo sobre a Criatividade, qual seria?

 

Criatividade é um tema meio estranho de se discutir. Quando leio ou falo sobre o assunto, percebo uma espécie de mística que envolve os chamados “criativos”, essas pessoas meio diferentonas que, em determinado momento de suas vidas, foram abençoados com o dom da criatividade, e com ele ganham a vida.

 

É claro que as coisas não são assim. A Criatividade não é um dom que abençoa alguns e ignora outros. Basta pensar em quando éramos crianças e/ou nas crianças que conhecemos hoje: criativas, com grande poder de imaginação, com prazer em contar/ouvir histórias, etc. Todos nascemos criativos, embora nem todos incentivemos nossa criatividade com o passar do tempo

 

Além disso, considerar que os reconhecidamente criativos, talentosos e geniais em suas áreas só são tudo isso por causa de um dom inato pode ser bastante injusto com cada um deles: a gente vê a obra final sem pensar no suor que existe por trás dela.

 

Por fim, é uma postura cômoda a de aceitar que “isso aí de criatividade não é pra mim”.

 

(Parênteses autobiográficos: em determinado momento do curso de Comunicação Social, precisei optar por matérias de Criação vs matérias de Marketing. Acabei optando pelas últimas e, por alguns meses, aceitei que deveria focar nelas, deixando as de Criação pra lá, quase jogando pra baixo do tapete qualquer traço criativo que pudesse surgir dali pra frente)

 

Por isso, escolhi compartilhar um vídeo que, quando assisti pela primeira vez, me fez rever muitos dos conceitos que aprendi, tanto no trabalho quanto na faculdade.

 

O documentário Everything is a Remix, do diretor Kirby Fergunson, pode não ser novidade para muito dos “criativos” nos mais variados campos. Mas deve ser visto e revisto por todos nós, independentemente da nossa área principal de trabalho. Até porque, cá entre nós, criatividade não nos serve só durante o trabalho.

 

O documentário trata das grandes criações da cultura pop e desmistifica o processo criativo de muitas delas, mostrando que tudo, absolutamente tudo, é pautado pela palavra-chave da criatividade: referências.

 

Livros que a gente lê, filmes a que assistimos, restaurantes, comidas, novelas, séries, músicas, piadas… Tudo isso nos molda e, consequentemente, molda a nossa criatividade.

 

Entender isso é o primeiro passo. O resto é com o tempo, com o treino, com os estudos.

 

Assista ao documentário aqui. Ele também pode ser encontrado legendado.

 

Não esquece de me dizer o que achou.

 

Um abraço!